Notícias

“Funchal Sempre à Frente” quer reforçar meios e melhorar e gestão da recolha de resíduos na cidade

“Funchal Sempre à Frente” quer reforçar meios e melhorar e gestão da recolha de resíduos na cidade

22-09-2021
70% do parque automóvel está parado por avaria, há falta de pessoal e não há fardamento para os trabalhadores 

Pedro Calado visitou hoje o Departamento do Ambiente e Salubridade, da Câmara Municipal do Funchal, nos Viveiros. 

No local, ouviu muitas queixas dos trabalhadores não só pela falta de meios com que se deparam todos os dias, nomeadamente falta de viaturas, já que cerca de 70% estão avariadas, além de estarem a trabalhar com carros com mais de 20 e 40 anos. 

Para além da falta de meios físicos e humanos, os trabalhadores queixam-se da falta de fardamento e da carga horária excessiva sem acréscimo na remuneração.

Esta falta de investimento, constatada pela equipa do ‘Funchal Sempre à Frente’, faz com que se perceba por que razão hoje a cidade do Funchal estar mais suja. Não há capacidade para dar resposta à limpeza e recolha do lixo. São os próprios trabalhadores a reconhecerem o problema.

Perante estas queixas, Pedro Calado assume o compromisso, de mudar tudo o que está mal: «quero aqui deixar a minha palavra de honestidade e lealdade. Vamos dignificar e honrar o vosso trabalho, reforçando os meios físicos e humanos e garantindo a valorização das carreiras em termos de progressão». 

Pedro Calado desmascara também «as mentiras» que têm sido transmitidas pela coligação “Confiança”. Olhos nos olhos, garantiu aos trabalhadores que não vai privatizar os serviços da Câmara. «Já estivemos na autarquia durante oito anos, nunca colocamos essa hipótese e não será agora que vamos contribuir para que essa seja uma realidade. É falso o que andam a dizer. Vamos manter todo o pessoal da câmara a trabalhar em prol da cidade do Funchal», prometeu.

Foi também assegurado assegurou aos trabalhadores que o seu objectivo, logo que assuma a presidência da autarquia, é proporcionar melhores condições salariais, valorizar a progressão das carreiras, reforçar os meios humanos e físicos, adquirir mais viaturas para o serviço, contratar mais condutores e mais cantoneiros.
“Funchal Sempre à Frente”’ pretende requalificar Miradouro de São Roque

“Funchal Sempre à Frente”’ pretende requalificar Miradouro de São Roque

22-09-2021
A candidatura “Funchal Sempre à Frente pretende requalificar o miradouro de São Roque. O projecto está ainda a ser desenvolvido e tem como principal objectivo, resolver a falta de estacionamento no centro da freguesia. 

Estão previstos 65 estacionamentos além da criação de espaços comerciais, uma loja do cidadão e uma farmácia como forma de dinamizar o centro da freguesia.

É desejo do actual presidente da Junta de Freguesia e novamente candidato que este projecto seja concretizado com o apoio da autarquia, mas pede uma mudança política, na Câmara Municipal, com a vitória do Pedro Calado para que a obra seja realizada, já que o actual executivo nada faz para ajudar a freguesia .

Pedro Gomes realça que se trata de um investimento importante para a freguesia uma vez que vai criar postos de trabalho, atrair mais visitantes e ajudar à economia familiar da zona. A requalificação permite criar novos estacionamentos e espaços comerciais sob o miradouro. 

A requalificação desta zona vistosa vai torná-lo mais atractivo do ponto vista turístico, permitindo o desenvolvimento e crescimento da freguesia. 

Pedro Calado considera que este investimento dignifica a zona nobre da freguesia, potenciando-a num contexto em que importa dotar o Funchal de uma maior diversidade atractiva. 

Com a vitória da candidatura “Funchal Sempre à Frente” a excelência das novas centralidades será uma realidade.
‘Funchal Sempre à Frente’ avança com queixa na CNE contra Costa

‘Funchal Sempre à Frente’ avança com queixa na CNE contra Costa

21-09-2021
A candidatura ‘Funchal Sempre à Frente’ anunciou, hoje, que vai apresentar queixa na Comissão Nacional de Eleições (CNE) contra  António Costa, devido ao uso abusivo de meios financeiros do Estado Português e da UE na campanha eleitoral  autárquica. 

Em causa,  o anúncio que  o secretário-geral do PS tem feito por todos os concelhos do continente e que espera que faça o mesmo na Madeira, ao dizer  que aqueles que derem o  apoio ao PS terão mais verbas do Plano de Recuperação de Resiliência (PRR) para concretizar infra-estruturas. Pedro Calado considera uma “vergonha” a atitude de António Costa que qualifica de “colonialista”  e que, segundo refere, tem a conivência dos socialistas da Madeira.

Para o candidato do PSD/CDS à Câmara Municipal do Funchal,  António Costa, enquanto Primeiro-Ministro, está a actuar e a participar numa campanha autárquica que está impedido de fazer,  violando deveres de neutralidade e imparcialidade nas eleições autárquicas.

O cabeça-de-lista à CMF lamenta que o seu  adversário Miguel Silva Gouveia  tenha pedido ajuda ao Primeiro-Ministro para fazer campanha com ele na Madeira, “já que  sozinho não chega lá”. “É lamentável que seja  solidário com a  atitude colonialista  do senhor  Primeiro-Ministro que vem à Região  cumprimentar com chapéu alheio o uso e abuso de verbas regionais que competem ao governo regional dar o seu destino”, referiu em conferência de imprensa realizada esta tarde, na sede de candidatura, no Funchal.

Pedro Calado lamenta que o Primeiro-Ministro  ande a dar a entender que estas verbas são partidárias e apenas do PS, na linha do que já havia feito ainda antes da campanha. “Esta é a mesma pessoa que nunca chamou a Madeira a contribuir com  projectos no PRR. Foi  necessário o Governo Regional incentivar  e fazer  pressão  para ter os seus projectos no PRR. Os primeiros documentos que foram tornados públicos a Madeira nem sequer era tida em conta”, lembrou.

Pedro Calado denunciou os inúmeros incumprimento do Primeiro-Ministro  que prejudicam a região. Apontou processos como o financiamento da obra do hospital, os juros elevados  do Plano de Ajustamento Económico e Financeiro  (PAEF), mais de 60  milhões de euros que todos os madeirenses foram obrigados a pagar, o equivalente a quase 60% do valor orçamental da CMF num só ano.
Pedro Calado acusa ainda  o Primeiro-Ministro  de não ter vergonha de vir à Madeira num voo da TAP depois de ver que a companhia de bandeira portuguesa vai deixar de fazer voos para o Porto Santo prejudicando mais uma vez  os madeirenses, depois de ter  contribuído para o aumento exponencial  dos preços  das viagens aéreas e não resolvendo o problema do subsídio de mobilidade. Teve que ser o governo regional a encontrar uma solução através da implementação do programa ‘Estudante Insular’.

O candidato acusou ainda o Primeiro-Ministro de ter faltado à palavra na promessa do ferry e no pagamento dos  30,5 milhões de euros do POSEUR para ajudar na recuperação  das casas destruídas pelos incêndios de 2016. “Depois de assistirmos  a inúmeras promessas que nunca foram  cumpridas pelos socialistas e depois de vermos a grande influência  da governação  socialista na CMF, aquilo que nos deixa de pé atrás e muito contrariados é vermos uma vez mais  a instrumentalização  de verbas exclusivas da Madeira em beneficio das autarquias socialistas”, refere Pedro Calado. 

E chama a atenção  para a tentativa do Primeiro-Ministro em defraudar as expectativas de todos os funchalenses. “Nós não podemos deixar passar esta atitude sem dar um verdadeiro murro em cima da mesa, não aqueles hipotéticos como ja aconteceram no passado e nada resolveram, mas não deixar que uma vez mais sejamos instrumentalizados e manietados na nossa acção  quando está em causa os interesses dos funchalenses e não permitir esta grave interferência  nas verbas do PRR destinadas à Madeira. Há uma verba que é destinada para o continente português e  essa sim podem  fazer o que entenderem  mas a verba  que foi destinada à RAM , quem decide o que fazer  é o governo regional”, avisa Pedro Calado, sublinhado “que não pode vir o Primeiro-Ministro aqui à Região dizer que vai aplicar nos municípios esta ou aquela verba” .

Uma das grandes necessidades da Região é a habitação  e  que a Madeira é a única região do País que colocou no PRR uma verba elevada, no montante de 136 milhões de euros, para esta área. Uma verba que, garante Pedro Calado, será utilizada em todos os municípios.
Pedro Calado quis ainda saber qual é a opinião dos senhores do PS-Madeira que tantas vezes criticaram a actuação  do Governo Regional na melhoria de infra-estruturas em toda a Região e   agora o que se assiste a nível nacional  são  promessas  para melhorar única  e exclusivamente infra-estruturas,  sejam elas rodoviárias, empresas públicas de transportes, de acessibilidades e  portuárias, “quando nós aqui na Madeira tentamos melhorar as nossas infra-estruturas  e foi-nos  recusado no PRR os montantes necessários”. 

A prioridade do ‘Funchal Sempre à Frente’ no PRR é a criação  de emprego, o apoio social de toda a população, a ajuda à competente da saúde e sobretudo os mais idosos e não o que tem sido transmitido pelo Primeiro-Ministro ao nível  nacional.
“Funchal Sempre à Frente” tem pronto projecto de requalificação para o Jardim da Mata da Nazaré

“Funchal Sempre à Frente” tem pronto projecto de requalificação para o Jardim da Mata da Nazaré

21-09-2021
Pedro Calado avança que é sua pretensão, quando assumir a presidência da CMF, infraestruturar este espaço destinado a actividades de lazer, com todas as condições de segurança para a população.
Um trabalho que será feito em pareceria com a Investimentos Habitacionais da Madeira (IHM) que assumiu a gestão do jardim em Fevereiro deste ano, «depois de durante sete anos a actual presidência da CMF, não ter feito rigorosamente nada».

«Uma primeira fase está concluída que foi vedar todo o jardim que compreende uma área de 12 mil metros quadrados. Nós pretendemos agora, até o dia 23 deste mês, ter já os jardins arranjados e devolver o espaço para utilização das pessoas em segurança, salientou.

No que se refere à segunda fase do projecto, Pedro Calado anunciou que será feita a requalificação do interior deste jardim.
«Vamos avançar com a realização de um concurso destinado à instalação de vários equipamentos desportivos, onde a população terá acesso gratuito. Vamos também criar uma zona de cafeteria, um coreto para espectáculos musicais e garantir também que aqui se possam realizar sessões de cinema ao ar livre, fazer actividades de teatro, de cultura e algumas exposições», revelou ainda.

Criar mais jardins, parques e aumentar corredores verdes na cidade é uma dos objectivos da candidatura "Funchal Sempre à Frente" e que faz parte do programa eleitoral para a CMF.
“Funchal Sempre à Frente” quer reforçar meios e valorizar as carreiras dos Bombeiros Sapadores do Funchal

“Funchal Sempre à Frente” quer reforçar meios e valorizar as carreiras dos Bombeiros Sapadores do Funchal

21-09-2021
Pedro Calado e o “Funchal Sempre à Frente” fizeram hoje uma visita à corporação de Bombeiros Sapadores do Funchal, tendo sido assumido o compromisso «de dignificar e honrar o trabalho dos bombeiros, reforçando os meios, garantindo melhor formação e valorização das carreiras em termos de progressão». 

Acompanhado de Bruno Pereira, o candidato que ficará responsável pela Protecção Civil Municipal, pelouro que já assumiu anteriormente na CMF, Pedro Calado deixou uma palavra de esperança aos bombeiros, no sentido de poderem contar com todo o apoio e motivação que é necessária. 

«Nós continuamos com a mesma lealdade e compromisso para trabalhar em conjunto. Estivemos entre 2005 e 2013 convosco, conhecem a nossa forma de ser e a nossa forma de estar. Não somos pessoas de ficar só nos gabinetes, gostamos de estar no terreno e estamos, hoje aqui para enfrentar os próximos anos, garantindo uma presença muito próxima de trabalho com os bombeiros», garantiu.

Pedro Calado realçou que, hoje, mais do que nunca, «sentimos a importância de termos uma corporação bem apetrechada em termos de meios físicos e humanos, mas é importante que sejam valorizados e bem formados para enfrentar as dificuldades».

 O efectivo dos Bombeiros Sapadores do Funchal é composto por 137 elementos com uma média de idades inferior a 30 anos. Daqui a cinco anos, 70 estão em condições de passar à reforma.